Ayrton Senna

Brincadeira de mau gosto sobre a morte de Senna circula na WEB.

Fala, pessoal! Quebrando um pouco o silêncio do blog para tratar de assunto não muito legal…

Ontem à noite um amigo enviou-me um vídeo e perguntou minha opinião acerca do conteúdo. Tal arquivo relata uma possível causa da morte de Senna. Comecei a assisti-lo atentamente, pois pensava que o tema seria abordado de forma séria, principalmente dando enfoque à possibilidade de a colisão ter acontecido por conta de um mal súbito, hipótese que, embora tivesse certa plausibilidade à época, já foi refutada. Entretanto, ao final, o vídeo afirma que Ayrton teria sido assassinado.

Imediatamente minha reação foi de total repúdio ao idealizador do vídeo. A hipótese nele ventilada é de uma inconsistência sem tamanho. Não sei por qual motivo ainda me surpreendo com a pequenez do ser humano. Às vezes é difícil de imaginar o que as pessoas, por pouquíssimos minutos de fama, são capazes de fazer. E este indivíduo está conseguindo seu objetivo. Bem verdade que o vídeo não foi explorado pela grande mídia, todavia a quantidade de acessos nas redes sociais já é considerável.

sennapensativo

Fiz uma pequena pesquisa sobre o tema e vi que o site e-farsas.com, cujo objetivo é tentar desmascarar mentiras propagadas na rede, já tinha abordado o assunto de maneira bem didática. Para quem ainda não viu a matéria, segue o link: http://tinyurl.com/p25smep.

Apenas a título de informação, é válido lembrar que a morte do brasileiro foi seguida de uma minuciosa investigação, que inclusive levou o renomado projetista Adrian Newey, atualmente na Red Bull, a julgamento, no qual o britânico foi considerado inocente.

Lamento profundamente que alguém perca seu tempo para tratar de um assunto sério e de grande pesar de uma maneira tão baixa. Verdadeira falta de respeito não só com seu grande número de fãs, mas principalmente com os familiares, que certamente irão se deparar com tamanho absurdo…

Na verdade, tal comportamento é uma verdadeira falta do que fazer…

Até breve!

18/11/15.

Anúncios

Senna, o melhor de todos os tempos?! Não para Jackie Stewart.

Em maio deste ano fez 20 anos da morte de Ayrton Senna. O dia foi marcado por muitas reportagens sobre o brasileiro, considerado pela grande maioria o melhor piloto da história da Fórmula 1.

Mas Senna não é unanimidade. Em post anterior (Por que Senna foi melhor que Schumacher http://wp.me/p4f3dZ-F), por exemplo, mencionou-se que nomes como Murray Walker e Eddie Jordan não o consideram como número 1. Agora, junta-se a esse pequeno grupo outro nome de peso: Sir Jackie Stewart.

O escocês, também tricampeão na F1 (1969, 1971 e 1973), questionou Senna, em uma entrevista, acerca do seu estilo perigoso de guiar. Stewart tirou Ayrton do sério ao acusar-lhe de ter provocado, deliberadamente, o acidente com Alain Prost, no grande prêmio de Suzuka, em 1990, e ao questioná-lo sobre o grande número de colisões em que Senna havia se envolvido. Parte da entrevista está disponível no youtube (https://www.youtube.com/watch?v=pdCWDSpwv9U) e no documentário Senna, lançado em 2012.

Senna em entrevista a Stewart.

Senna em entrevista a Stewart.

Há quase um mês, o jornal britânico Daily Mail publicou, em seu site, matéria na qual Jackie Stewart narra minuciosamente o ocorrido. A polêmica entrevista se deu no Grande Prêmio da Austrália, uma corrida após Senna ter conquistado seu segundo título. Por conta das perguntas, ele e Ayrton ficaram um ano sem se falar:

Eu havia feito meu dever de casa e Ayrton Senna, na época, tinha se envolvido em mais colisões com outros pilotos, do que o total de todos os campeões, desde 1950, juntos. Ele estava agitado, mas apenas alguém como eu estava apto a fazer aquela pergunta. Alguém que também havia conquistado três títulos.”

Um ano após, no mesmo GP, Stewart recebeu uma ligação. Era o brasileiro que tinha resolvido pedir desculpas. Segundo o escocês, essas foram as palavras de Ayrton:

Olhe. Estou ligando para me desculpar, pois, agora, eu admito que tirei Prost da pista intencionalmente e Deus não me permitirá viver com essa mentira. Eu vou anunciar para a imprensa hoje à noite, mas eu quero que você seja o primeiro a saber.”

Paz selada!

Paz selada!

Naquela noite Senna e Stewart ainda conversaram pessoalmente. O tema principal era justamente tentar adotar medidas que melhorassem a segurança do esporte, algo que Jackie também buscou durante sua carreira. O brasileiro se mostrava preocupado, pois apesar de terem se passado 12 anos sem vítimas fatais, ele sabia, ironicamente, que isso não significava o fim das mortes na categoria.

Os anos se passaram e Jackie Stewart mantém a opinião de que Senna não pode ser considerado o melhor piloto da categoria. Segundo ele, em inúmeras vezes, Ayrton fez coisas, intencionalmente, que os grandes pilotos jamais teriam feito. Para o escocês, o brasileiro vem atrás de Fangio, Jim Clark e mesmo seu maior Rival, Alain Prost:

Eu sempre fui um crítico de Senna, pois, como ele disse na entrevista, se existe uma brecha, você tem que aproveitá-la, e se você não o fizer, não será um grande piloto. Aquilo estava errado. Ele insistiu nesse assunto por muitas vezes, então, desculpe-me, eu não posso dizer que ele foi o maior piloto da Fórmula 1.

Eu classifico Prost acima de Senna. O ‘professor’ foi um piloto mais completo do que Senna foi. Eu gostava muito de Ayrton e adorava seu entusiasmo e sua pilotagem, mas, para ser grande, você tem de estar apto para fazê-lo com consistência, porém ele teve muitas colisões com diversas pessoas. De fato, isso também impediria Michael Schumacher de ser o maior piloto de todos os tempos.

Embora faça parte de uma minoria, Jackie Stewart fundamenta bem seu ponto de vista. Diferentemente de outras categorias, a Fórmula 1 requer uma pilotagem limpa e disputas justas. A agressividade era marca registrada do brasileiro. E isso o tornava mais vulnerável aos erros.

Senna provoca colisão e fica com o título.

Senna provoca colisão e fica com o título.

Apesar dos incidentes mais famosos terem sido os que envolveram Senna e Prost, Jackie Stewart estava se referindo a todas colisões da carreira de Ayrton. Até onde isso pesa no momento de considerar sua grandiosidade é muito subjetivo, mas, sem dúvida, é algo que deve ser levado em conta.

A história da Fórmula 1 é repleta de grandes nomes. Lauda, Piquet, Prost e o próprio Stewart também podem ser considerados lendas da categoria, mas, estranhamente, apenas Senna é tão exaltado. Lamentavelmente, sua morte prematura contribuiu bastante para que fosse considerado um mito.

Ainda que você não concorde com Stewart, a opinião do tricampeão merece respeito. Talvez esteja na hora de se fazer uma análise menos passional. Apesar de ter feito 20 anos desde a sua partida, a morte de Ayrton causa grande comoção até hoje.

Por conta disso, uma pergunta jamais poderá ser respondida: caso Senna tivesse sobrevivido ao fatídico acidente, seria apontado pela maioria esmagadora como o melhor piloto da história? Vale a pena refletir.

02/06/14.

Por que Senna foi melhor que Schumacher.

Embora Ayrton Senna seja frequentemente vencedor nas votações, volta e meia, discute-se quem foi melhor: Senna ou Schumacher? Para os brasileiros, o tricampeão é praticamente uma unanimidade, apesar dos sete títulos do alemão. Porém, quando se pergunta o porquê, as respostas favoráveis a Senna são sempre vagas, carregadas de paixão e saudosismo por conta das alegrias proporcionadas nos domingos do final e início das décadas de 80 e 90, respectivamente.

Analisando-se apenas os números, não haveria nada para se discutir. Ayrton disputou 162 grandes prêmios, somando 65 poles, 41 vitórias e 03 títulos mundiais. Por sua vez, Michael participou de 307 GPs, 68 poles, 91 vitórias e 07 títulos. Neste ponto, vantagem larga para o alemão.

senna-schumacher

O que dizem os especialistas no assunto? Murray Walker, principal comentarista britânico, aponta Schumacher como o maior piloto de todos os tempos e não somente por conta das estatísticas. Em sua opinião, o alemão foi melhor por ter deixado espontaneamente a Benetton no fim da temporada de 1995, quando havia se sagrado bicampeão, aceitado o desafio de correr pela Ferrari e trazer a escuderia italiana de volta ao sucesso de antigas temporadas. Frisa o fato de Michael ter levado para lá Ross Brown e Rory Byrne, bem como ter liderado brilhantemente o time. Segundo o britânico, Senna foi indubitavelmente o mais carismático, o mais místico, porém Schumacher foi o melhor de todos os tempos.

O irlandês, antigo dono de equipe de fórmula 1 e atualmente comentarista, Eddie Jordan, ficou espantado quando viu Schumacher correr pela primeira vez, achando-o simplesmente fenomenal. E mais. Afirma que, estranhamente, as pessoas lembrarão do heptacampeão como aquele que dominou seus companheiros de equipe, pelo que aconteceu em Mônaco (se referindo à ocasião em que estacionou propositadamente o carro de maneira perigosa, para atrapalhar Fernando Alonso, em 2006) ou pelos episódios com Damon Hill e Jacques Villeneuve, porém o alemão foi o piloto mais rápido que o mundo automobilístico já viu.

Por outro lado, o ex-piloto de Fórmula 1, Martin Brundle, atualmente comentarista, tem outra visão. Para ele, Senna possuía um dom dado por Deus, que ele não testemunhou em nenhum outro piloto.  Já Mark Webber, recém aposentado das pistas, diz que o brasileiro tinha a habilidade de pilotar completamente no limite e que algumas de suas voltas eram inacreditáveis. Já para o bicampeão Mika Hakkinen, a razão de Ayrton ser o melhor residia no fato dele trabalhar intensamente nos detalhes.

Jeremy Clarkson, apresentador do programa Top Gear, diz que nunca foi um grande fã de Senna. Para ele, o maior piloto de todos os tempos foi Gilles Villeneuve. Entretanto, ao realizar um programa em homenagem a Ayrton e após assistir à várias horas de vídeos, percebeu que Gilles foi espetacular em inúmeras ocasiões, mas que Senna havia sido espetacular em todas. Vale mencionar também que, em uma pesquisa realizada pela revista inglesa Autosport, para eleição de um ranking dos 40 melhores da história da F1, 217 pilotos foram entrevistados. Schumacher ficou em segundo, Senna em primeiro.

Embora jamais saibamos o que poderia ter acontecido, alguns fatos teriam grande probabilidade, senão, vejamos. Em 1994, ano da morte de Senna e do primeiro título de Schumacher, o alemão venceu Damon Hill por uma vantagem de apenas 01 (um) ponto. Não é difícil de imaginar que, com Senna vivo, o brasileiro seria campeão, até pelas altas chances de dobradinhas da equipe Williams.

Em 1995, Schumacher venceu com uma margem de 33 pontos e, devido a esse fator, suponhamos que Senna não tivesse como reagir, todavia, em 1996 e 1997, Damon Hill e Jacques Villeneuve foram campeões respectivamente pela Williams. Também não é difícil imaginar que Senna teria ganhado nessas temporadas.

senna-e-schumacher

Caso Senna tivesse sobrevivido, até a ida de Schumacher para Ferrari estaria ameaçada, já que a escuderia italiana havia negociado com o brasileiro e tentava leva-lo para lá. Inclusive era sua vontade guiar pela equipe de Maranello. Deve-se levar em conta também o fato de que, em 1998, Senna já estaria com 38 anos, portanto, perto de se aposentar.

Particularmente tenho poucas lembranças de Senna e não desenvolvi a paixão vista em muitos brasileiros. E nesse debate, a morte prematura de Ayrton é um fator que dificulta por demais a comparação. No entanto, apesar da grandeza de Schumacher, acredito que Senna tenha sido superior ao alemão e que boa parte de seu sucesso esteja inteiramente ligado à ausência do piloto brasileiro.