Hamilton precisa se preocupar?!

Que reviravolta! O Grande Prêmio de Mônaco já estava se encaminhando para um dos mais chatos dos últimos tempos. Apesar de ser um circuito que proporciona pouquíssimas ultrapassagens, há sempre alguém que busque a ousadia para tentar mostrar seu talento e geralmente passa da dose. É aí que o jovem Max Verstappen entra…

Tido por muitos como um fenômeno do automobilismo, o que acho exagerado para o momento, o ainda promissor holandês resolveu passar dos limites e acertar Romain Grosjean numa manobra imprudente e que gerou uma punição de perda de cinco posições para a próxima corrida. Resultado? Trouxe o já aguardado safety car e com ele emoção para o GP de Mônaco.

Deveria ter sido um fim de semana de pura alegria para Hamilton, perfeito, eu diria. Dias atrás, houve o anúncio da renovação de seu contrato com a atual melhor equipe. No sábado, sem nenhuma “artimanha” de seu companheiro como em 2014, a pole veio naturalmente. Largando na ponta em Mônaco com o melhor carro, a vitória estava praticamente assegurada. Estava… Um erro na estratégia custou o êxito do inglês no principado. Essa foi a segunda derrota que Lewis teve na temporada por conta de um equívoco da equipe.

Verstappen acerta Grosjean e causa SC.

Verstappen acerta Grosjean e causa SC.

Sobre o erro de estratégia, logo após a corrida, o jornalista Tobias Gruener (@tgruener, no twitter) informou que Lauda havia deixado escapar que o bicampeão estava reclamando dos pneus e questionou a equipe se não deveria parar. Ele liderava a corrida com larga vantagem, mas não o suficiente para trocar pneus e voltar à frente de seus rivais. Piloto e engenheiros conversaram e resolveram realizar a parada. A equipe calculou errado. Lewis voltou e terminou a corrida em terceiro. Segunda vitória consecutiva de Nico Rosberg nesta temporada e a terceira seguida em Mônaco, colocando seu nome de vez na história do principado.

Hamilton disse que a culpa era dividida, mas não dá para negar que a parcela de erro maior foi de seus engenheiros. Talvez pela monotonia da corrida, o inglês reclamou durante a corrida toda, apesar de aparentemente não haver motivo para tanto. No momento crítico da corrida fez mais reclamações e seu engenheiro deve ter dito: ok, get into the pit, motherfucker!

Brincadeiras à parte, seu staff deixou a desejar. Por mais que Lewis tenha sido insuportável, não havia razão para somente ele realizar troca de pneus, mormente quando ninguém mais entraria no box e diante de uma margem tão apertada de tempo. Lewis era o primeiro colocado guiando o melhor carro num circuito de dificílima ultrapassagem. Não havia razão para somente ele trocar pneus. Toto Wolff atribuiu o equívoco à mudança do safety car virtual para o real. No fim das contas, o erro da equipe foi grotesco!

Ademais disso, duas coisas chamaram atenção. A primeira foi o fato de Niki Lauda não mais esconder sua decepção quando Hamilton tem um resultado ruim. Apesar de ocupar o cargo de diretor não executivo na equipe Mercedes, para ele apenas as vitórias de Lewis interessam. A outra foi a postura de Hamilton durante o pódio. Sua frustração era aceitável, a falta de desportividade não. Ele, talvez de forma inédita, – não me recordo de outra situação igual – recusou-se a estourar o champagne, deu meia volta e foi embora. Até brinquei nas redes sociais, questionando o que diriam se fosse Fernando Alonso o protagonista de uma cena daquelas. Mas tudo bem. Vida que segue, o resto da corrida vocês sabem…

Terceira vitória consecutiva em Mônaco.

Terceira vitória consecutiva em Mônaco.

Mas até onde Hamilton tem com o que se preocupar?

Agora Lewis tem contrato com a Mercedes até o fim de 2018. Embora a categoria passe por mudanças no regulamento para a temporada de 2017, não há razão para acreditar que a equipe alemã deixará de ser competitiva até o fim de seu vínculo… A Ferrari cresceu, mas não o suficiente. Red Bull e Williams andaram para trás. Sobre a McLaren não é preciso tecer comentários. Todas essas e demais rivais terão de vir com soluções mágicas para voltar a brigar pelo título, enquanto a Mercedes aguarda de camarote, mas sem ficar inerte.

De fato, se há algum piloto que pode ameaçar Hamilton, digo e repito, esse alguém é Nico Rosberg. Vejo muitas críticas ao alemão, mas o trabalho que ele faz é magnífico. Acompanhar de perto um companheiro do quilate de Lewis merece reconhecimento e respeito. Apesar de o inglês ser melhor, tudo indica que ele não terá tanta facilidade em sua busca pelo terceiro título como era pensado. Novamente, teremos a batalha entre o talentoso e o “trabalhador”. Exemplos no esporte não faltam em que a dedicação e trabalho duro venceram o dom natural mal aproveitado.

Por mais que Rosberg não facilite a vida de Lewis, é difícil de acreditar que o inglês não se sagre tricampeão no fim do ano. Inclusive, arrisco a dizer, pelos motivos supramencionados, que ele já desponta como o grande favorito para 2016. Óbvio tudo isso requer certa parcimônia. Já falei em outros posts que Hamilton mostrou grande evolução, principalmente no quesito maturidade. Em 2014 ele passou por situações de grandes adversidades, mas no final reverteu. Caso não venha a fraquejar, a aposta fica fácil. Ele não pode se dar ao luxo de titubear, pois outro receberá as láureas e será tão merecedor quanto.

Se uma vitória improvável cai bem, imaginem um título…

25/05/15.

Anúncios

6 comentários

  1. Gostei da sua análise. Eu concordo.

    Eu não sou a favor da retirada do GP de Mônaco, pelo contrário! Acho o desafio de pilotar nas ruas do Principado fundamental para que os pilotos demonstrem sua habilidade durante a temporada, assim como num circuito oval ou em um GP noturno. Já chega os clássicos que o anão-de-peruca eliminou da temporada.

    Porém, o GP de Monte Carlo, assim como aqueles realizados na maioria dos Tilkódromos, pode ser ouvido pelo rádio ou assistido de relance entre os afazeres da manhã de domingo. Nada acontece. Geralmente. Porém, há anos em que o GP de Mônaco assume toda sua mística, e 2015 foi um deles, graças a AMG.

    Hamilton conduziu brilhantemente. O MVP do grid, disparado, sem dúvida. Mas eu estava achando surreal demais tudo isso que aconteceu. Lendo seu post, confirmei minhas desconfianças, foi uma decisão em conjunto. HAM perguntou, a equipe calculou, e errou. Até agora, eu estava achando que o HAM tinha tardado a sair do ultimo pit propositadamente, mas realmente foi apenas um pequeno erro dentro de outro bem maior.

    Com relação ao ROS, essas vaias repetidas são despropositadas. As vaias genuínas, oriundas da indignação de um indivíduo ou de um grupo em relação a um determinado fato é uma coisa absolutamente saudável, mas a claque é um negócio muito bobo. Acho que essas vaias são claques lideradas por luisetes e nicoletes.

    Se os torcedores realmente se indignassem com esse tipo de acontecimento, o falecido Schumacher teria sido mais vaiado do que aplaudido, e seu discípulo, hoje piloto na minha equipe, igualmente.

    A outra lambança do domingo foi protagonizada pelo Max. Eu gosto dele. Gosto de ambos os garotos dos Touros. Mas ele ainda não está pronto. Ele está muito supervalorizado. Acho o Sainz muito mais técnico e regular. Acredito que esse oba oba em torno do Max deve-se a sua idade ou ao marketing feito em cima dele, pois pelo sobrenome é que não é. Vejamos, seu pai foi um joão-ninguém de grid, que ficou conhecido por suas barbeiragens e seus faniquitos, e não por algum talento pp dito. Um deCesaris bem pior que o original. Já o pai do espanhol é bicampeão mundial de rally, uma lenda do esporte, respeitada até hoje.

    Max é um diamante a ser lapidado. E só. Fez um grande GP até a volta 64. Colou no RAI e foi buscar o GRO brilhantemente. O francês foi muito inteligente e preciso ao liberar o RAI e conter esportivamente o MAX. Porém, como se o francês tivesse alguma culpa dele ter perdido tempo no pit ou fosse obrigado a dar-lhe passagem, MAX decidiu atropelá-lo, varre-lo da pista, numa manobra extremamente grosseira. Papai deve ter ficado orgulhoso.
    Eu sou muito a favor dos jovens da GP2 encherem o grid da chatíssima F1, porém também acho que devem pagar pelo que fazem. A ousadia é muito bem vinda, e os erros devem ser punidos. Simples. Baixe sua bola, moleque.

    E o RAI, hein? Ex-piloto em atividade? Pelo menos o rádio dele é sensacional. Eu morro de rir.

    Meu destaque do GP : Kvyat

    Abraço

    1. Grande Attila! Confesso que estava já estava sentindo falta do seu comentário!

      Tudo o que você falou resume bem as conversas que eu tive com nossos amigos Tiago Mariz e Igor Paulino. Principalmente na parte sobre o jovem Holandês…

      Quanto às vaias, Rosberg foi favorecido, mas não de propósito como alguns acreditam e até a mídia especializada chega a alimentar. São simplesmente desnecessárias.

      Raikkonen que se cuide. Arrivabene está expondo muito o finlandês… Ele teve alguns lampejos esse ano, mas estou começando a ter dúvidas acerca de sua permanência em 2016.

      Abração!

    1. Bem-vindo, Leonardo!

      Fique à vontade para transmitir sua opinião. Não sei tudo e nem tenho essa pretensão. Se tiver algo a acrescentar, ficarei sempre grato.

      Particularmente, considero ótimo o trabalho que Rosberg vem fazendo.

      Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s