Hamilton firme na luta pelo Bi.

Após o abandono na primeira etapa da temporada, Lewis Hamilton sobrou nas três corridas posteriores, vencendo-as sem muito trabalho, exceto no GP do Bahrein, em que disputou, por algumas voltas, a liderança com seu companheiro de equipe Nico Rosberg. O alemão lidera o campeonato com 79 pontos, Hamilton, mesmo tendo ficado de fora em Melbourne, já soma 75. O inglês está em sua melhor forma e parece imbatível.

Se tudo continuar assim, ao final da próxima corrida, o campeonato já terá um novo líder, pois uma vitória vale 25 pontos, enquanto o segundo lugar, 18. A diferença entre os pilotos da equipe Mercedes é de apenas 04.

Lewis não escondeu, durante a festa do pódio, a facilidade de sua vitória, realçando, obviamente, o esforço da equipe em lhe dar um carro perfeito:

“Eu não acredito quão fantástico o carro está e quão duro todos trabalharam. Após a largada, realmente, só corri contra eu mesmo. Estou muito feliz por Nico estar aqui. Ótimos pontos para a equipe.”

Não foi o fim de semana dos sonhos para Rosberg. Após errar durante a classificação e ter conseguido apenas o quarto lugar, o alemão, que caiu para a sexta posição ainda na primeira volta, conseguiu fazer uma corrida de recuperação e chegou em segundo, reduzindo o prejuízo.

Pódio - GP da China.

Pódio – GP da China.

Por sua vez, a Ferrari conseguiu o primeiro pódio do ano. As novas peças introduzidas no F14T deram resultado. Os treinos livres davam mostra de sua evolução e a corrida a confirmou. Alonso largou em quinto, ganhou duas posições – após um toque com Massa – passou Vettel depois do primeiro pit-stop e manteve-se à frente de Ricciardo até o fim da corrida. O espanhol assumiu o terceiro lugar no campeonato com 41 pontos:

“Foi um bom fim de semana. Melhoramos um pouco o carro, comparado às três primeiras corridas, então nos sentimos mais competitivos, estar no pódio é uma boa surpresa para nós. Acho que estou em terceiro no campeonato atrás desses dois caras. Não tivemos o início de temporada que gostaríamos, mas ainda estamos na luta.”

Sebastian Vettel foi mais uma vez superado por seu companheiro. O australiano apresentou um rendimento muito superior, dando a impressão, pois ainda não foi confirmado,  de que o carro do tetracampeão apresentava problemas, a exemplo do que aconteceu no GP do Bahrein, em que foi possível perceber que seu assoalho arrastava pelo asfalto. O que em nada diminui o mérito de Ricciardo, que vem fazendo provas muito consistentes. Vettel chegou a desobedecer uma ordem de equipe, dificultando a ultrapassagem, momento em que a TV flagrou Horner fazendo cara de poucos amigos.

Felipe Massa, que novamente largou bem, teve sua corrida arruinada, após um erro da Williams, durante a primeira parada nos boxes para troca de pneus. Terminou a prova em 15º lugar. Seu companheiro de equipe, Valteri Bottas, chegou em 7º, à frente de Kimi Raikkonen.

Coletiva de imprensa.

Coletiva de imprensa.

Embora não tenha sido tão emocionante como a corrida do Bahrein, o grande prêmio de Xangai não teve o tédio das duas etapas iniciais. Hamilton se mostra franco favorito para a conquista do seu bicampeonato. Seu adversário imediato parece não ter o talento necessário para lhe impor resistência, além de ser claramente, embora a equipe negue com veemência, o segundo piloto da equipe.

Hamilton, que chegou a sua 25 ª vitória, igualando-se a ninguém menos que Jim Clark e Niki Lauda, foi contratado para assumir o papel de líder da equipe. Lewis que era tratado como filho por Ron Dennis, deixou a McLaren, depois da oferta milionária feita pela equipe alemã e talvez por compreender que a Mercedes seria forte, a partir da introdução das novas regras.

Já a situação de Rosberg se assemelha à vivida por Felipe Massa na Ferrari. Se a equipe italiana tivesse confiança em seu talento, não teria trazido Raikkonen ou Alonso. Da mesma forma, a Mercedes não teria contratado Hamilton.

Bem verdade que a RBR evoluiu, levando-se em conta os treinos da pré-temporada, e a Ferrari mostrou-se mais competitiva na China. Todavia ambas terão de dar saltos gigantescos na evolução dos seus carros. Afinal a Mercedes também trouxe e trará novas peças.

Embora Alonso tenha chegado ao pódio,  a diferença para o inglês foi de 25 segundos, uma eternidade no mundo da Fórmula 1. Lewis Hamilton parece inalcançável em 2014.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s